terça-feira, 24 de outubro de 2017

Das mudanças

"Nós definimos algumas das coisas que mais nos importam quando nos atrevemos a nos perguntar se o que esperançamos nunca mudará". School of Life.

Para fechar as reflexões do curso - misturada a tantas outras que tenho tido - depois de ter me dado conta, então, que quem você é não necessariamente significa o que você faz; que o trabalho nem sempre vai te dar tudo o que você espera dele, e que ao adquirir consciência sobre isso, você tem mais perspectiva de mudar, alocando uma necessidade a uma outra atividade e, inclusive, priorizando seu tempo para o que efetivamente te importa; me dei conta de que, independentemente do que for aquilo que você vai mexer - prioridades no trabalho, o trabalho em si, atividades extras, relações, significado do que verdadeiramente faz sentido para você - nenhum êxito será alcançado, sem qualquer mudança.

A consciência de estarmos num momento x hoje e de que esse momento não é mais satisfatório, abre espaço para algumas alterações - grandes ou pequenas, visíveis  ou não, mas diferentes do que sempre foi.

Nesse contexto, a pergunta lançada era "Quais são as mudanças que você precisa fazer, para fazer o que mais se aproxima sobre quem você é?".

De novo, com calma:
- Quais são as mudanças
- que você precisa fazer
- para fazer
- o que mais se aproxima
- de quem você é?


Uma dica?
Respire.


Outra dica?
Comece pequeno.

Um passo.

Uma mudança.

Aos poucos.


"(...) Serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar
Coragem para mudar as coisas que posso
E sabedoria para conhecer a diferença entre elas". Reinhold Niebuhr




Um comentário:

Fabio Drumond disse...

Uau...mais alguns nós no estômago...

*Não adesão à nova regra gramatical.