quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Qual o preço de um gesto de honestidade?

No último domingo, após almoçar com amigos, dei uma parada no shopping para resolver "coisas de casa", rapidamente. Depois, entrei no ônibus, paguei a passagem em dinheiro, guardei o troco em moedas e, vendo que meu celular - um Iphone - estava sem bateria, coloquei tudo junto e misturado, dentro de uma das sacolas de supermercado.
Para minha surpresa, ao chegar em casa, tirei tudo da sacola, menos o celular. 

Achei que estava louca, já que não estava bêbada. Desci. Olhei no porteiro, no elevador, nas escadas, debaixo da cama; até que pensei: Ou caiu no chão e eu não ouvi (sabe-se-lá-como-não) ou alguém me furtou no ônibus e eu nem senti.

Pois bem.

Fiquei meio chateada, mas mais com minha desatenção do que com o fato em si. Meu ponto era "o que aconteceu e eu não vi?!".
Anfam. Fui para o clássico bloqueia-celular-bloqueia-chip-avisa-as-pessoas-coloca-outro-número-no-find-my-Iphone (Thanks, Apple!); e fiz isso meio que sem muita pretensão, embora, verdadeiramente, achava que tinha perdido e não sido furtada.

No dia seguinte de manhã, recebo um Whatsapp:
- Oiee gracinha bom diaa Vc dona iphone?

Pensei: Não é possível? Será? Respondo? E se ele me sequestrar? E se hackear todas as informações? E se me chantagear e descobrir onde eu moro? JURO para vocês: nenhum pensamento positivo passou pela minha cabeça nos primeiros 30 segundos.


Respondi:- Oiee! Siiim! =)


Ele:
- Sou Rodrigo prazer tava dando aula de dança ontem q achei no meio da av esqueci nome da av kkk



Eu:
- Rebouças?

Ele:
- Isso deve ser essa mesmo deu sorte em porq passei por ele fiquei olhando no chão os carros passando do lado dele kkkk


Depois de trocas de risadas e eu sem saber como perguntar para ele se ele me devolveria, enfim, tomei coragem e a resposta veio:
- Entrego não trazendo polícia falar q eu te roubei kkkk ta firmeza

Voltei 10 passos e pensei: "Não quero meu celular mais não". E, librianamente, negociava indecisa: "vamos encontrar?". Não vamos. "Quero meu celular?". Quero. "Correndo riscos?" Mas por que ele se daria o trabalho de me contatar? "Será que ele acessou meus dados ou viu que não revenderia por estar bloqueado ou..."; enfim. Decidi acreditar e ainda assim não foi fácil.

Ainda estávamos na 2afeira. Marcamos de nos encontrar na 3afeira, em uma estação de metrô. Poucas horas antes, ele proativamente desmarcou e sugeriu que uma amiga me entregasse no shopping perto da minha casa. Ele então se despediu com um "ok vou passa seu contato pro meu encarregado ele te passa tudo certinho... de qual que forma foi meu último contato com vc até... mais...".

Estaca zero.
Eu e minha positividade pensamos: "É, não vai rolar. 'Encarregado'? Último contato?".

Na 4afeira o tal encarregado entrou em contato comigo, se apresentou como esposo-da-tal-amiga-que-trabalha-no-tal-shopping. Depois, a tal esposa me escreveu, combinando o encontro na praça de alimentação. Neste momento, desisti. Ali eu tive certeza absoluta que estavam rindo da minha cara, fazendo graça e/ou que iam devolver sob algum tipo de "cobrança".


Por outro lado, eu não me conformava em me conformar. Hoje, 5afeira, saí de um cliente, mandei mensagem para a esposa e disse: "Olá! Estou no shopping. Posso pegar meu celular com você?".
E ela veio, com ele assim:


                                              
Limpo e protegido. Funcionando.
Fiquei muito feliz. Muito!: Uma mistura de crença no brasileiro, no futuro, nas pessoas boas escondidas e, eu, meio ressabiada com meu preconceito, meu pessimismo e minha desconfiança.

Foi um tapa na cara com a força de um atropelamento. Impacto suficientemente grande para (re) pensar e (re)agir. 

Aliás, como diria Drummond, "a confiança é ato de fé e dispensa raciocínio". #Acreditemos.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Transbordou.


"Quando escrevo, repito o que já vivi antes. 
E para estas duas vidas, um léxico só não é suficiente. 
Em outras palavras, gostaria de ser um crocodilo 
vivendo no rio São Francisco. Gostaria de ser 
um crocodilo porque amo os grandes rios, 
pois são profundos como a alma de um homem. 
Na superfície são muito vivazes e claros, 
mas nas profundezas são tranqüilos e escuros 
como o sofrimento dos homens".
Guimarães Rosa


A vida é um sopro.
Um suspiro.
Um milésimo de segundo.

"Para morrer, basta estar vivo".

Quantas dessas não ouvimos ou não conhecemos?
Mas quantas dessas só atribuímos quando é com a gente.

A morte é como o câncer. A gente só tem dimensão do que é quando acontece perto da'gente.

Diariamente vemos, lemos, ouvimos notícias de civis mortos em trocas de tiros.
Idosos que esperaram demais em hospitais para atendimento.
Crianças desnutridas: Mesmo que não necessariamente infinita, é uma lista incontável.

Sentimos dor, sofremos, nos perguntamos "por que, mundo?", mas quando é próximo parece que é uma dor diferente, não? Parece que "você acha que sabe, mas não sabe; porque é minha a dor".

O falecimento do artista Domingos Montagner* na última quinta-feira me deixou meio assim. Como dizem, "ele não era meu parente, mas era próximo".  Aliás, ele não, o recado que ele vinha trazendo através do personagem dele na novela.

Ainda não sei exatamente o porquê e o como da conexão. Se por minha origem paterna ser dali; se pela questão dos índios que a vida inteira nos dão o recado de quem é que manda na vida - e na morte; se pela nossa fragilidade dura do tal "para morrer, basta estar vivo" - e se é só isso mesmo; se pelo desconhecido, do não controle, do possível, mesmo que improvável; do improvável que não tão impossibilitado assim; do que não sabemos: Se pela minha formação ocidental-católica.

Aliás, achei que tivesse aprendido mesmo na Libia que a morte é a beleza de um novo encontro, não a tristeza do desencontro - que nada!: Chorei como se fosse próximo. Refleti como se fosse abdicar de tudo para sair por aí, preenchendo a faltaAprendi nada. Resignifiquei, na prática, muito pouco. Porque "na prática, a teoria é outra".

Por outro lado, neste caso Montagner, me parece algo maior, pr'além do "céu e terra" que 
não dará conta a filosofia, nem a medicina. Cada um tira para si o que quiser desse acontecimento, que para muitos não foi "nada" e para outros foi "tudo". Para tantos mais, uma projeção do "e se fosse comigo?".

Para mim é também uma questão da "vida imitar a arte" - e não o contrário -  e, sobretudo, do Rio. Da natureza-viva. Essa, que quando morrer, matará 'inda mais: que possamos, enquanto Brasil, enquanto há tempo, cuidar do objeto-sujeito da passagem dele; o Rio São Francisco.


*Para quem não sabe do que se trata:
http://g1.globo.com/se/sergipe/noticia/2016/09/domingos-montagner-morre-aos-54-anos.html

terça-feira, 13 de setembro de 2016

A falta de sentir falta: estamos cheios demais?

Estamos em Setembro. Aliás, já quase na metade de Setembro. E qual é a razão por contar tanto o tempo?
A cada instante que reconheço sentir que o tempo vai rápido demais, parece que eu é que estou lenta para a velocidade das coisas: sempre há falta. 

Falto com telefonemas à família; falto com aniversários de amigos (perto ou longe); falto em estudar, ler um livro, uma revista, um artigo. Falto na academia, na matrícula de um curso que já vi quanto custa, mas só não fui lá pagar - quanto mais frequentar?. Falto, mesmo que eu queira, que eu tente estar. Mas arrisco: não falto ao trabalho.

Há momentos, principalmente Domingo, que resolvo olhar meu celular e, ao invés de responder às mensagens às quais faltei atenção ou simples resposta ao longo da semana, travo. Na falta faltante, decido me faltar; quase me ausentar de mim mesma, desse tempo, dessas coisas. Falto à ação e durmo. Descanso. Faço nada.

Nessa organização para não fazer nada, e isso é um refúgio para mim, causo uma estranheza para o outro; enquanto, para mim, estranhas são as pessoas em restaurantes, bares (e "até" cinema/teatro) ficarem incessantemente ao celular. Eu entendo: "aproxima quem está longe, afasta quem está perto". Eu entendo: "é uma ferramenta, a pessoa quem deve saber usar".

Me preocupa a leitura das pessoas sobre essas coisas todas: Me preocupa estar na praia, em shows, em parques, museus, cafés, ou em qualquer tipo de vivência experimental e ver que as pessoas, muitas vezes, não estão vivendo e nem experimentando, mas "postando", contando "para o outro" - o mesmo outro que está vendo e não necessariamente inteiro naquilo que vê e, sequer, vive ou é.

Usando quase minimamente o celular, ainda assim, me falta muita coisa! Tentei me colocar em dia durante as férias; fiz questão de escolher um lugar isolado, "desconectado", e ainda assim, faltou. Faltou tempo para mais dessas paradas.

Diariamente falta tempo para sentir menos "ah, queria mais tempo" para fazer tanta coisa e tempo para não fazer nada. Tempo e qualidade de tempo para estar inteira nas relações. Para viajar e aproximar o longe a ser perto. Tempo para ser, não estando. Só sendo. 

Mas, arrisco: não falto ao trabalho. E talvez você também não. 


Pausemos: antes que o tempo nos pare: "longas caminhas necessitam boas paradas".

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Feliz ontem e hoje [Para que amanhã seja o Feliz ( ) Novo!].

[Longas caminhadas necessitam boas paradas].

Hoje eu virei a página de Novembro do meu calendário de papel, que fica em cima da minha mesa de trabalho; apesar de já estarmos no dia 2 de dezembro. Aliás, 20. Vi agora que escrevi e ficou na gaveta digital, dentro d'alguma das dezenas de pastas de aspirações que me chamam e que às vezes não dou "send".

Mas enfim, fecho os olhos e não sinto que já se passou mais um ano: parece que tudo foi ontem!

Ontem que saí da 99jobs e voltei "ao mercado", que nem é tão tradicional assim: posso muito ser eu mesma. 
Ontem que me apaixonei e tive borboletas no estômago e imaginava o natal da família que construiria, um dia, com ele.
Ontem que vibrava pelo renascimento em fé de uma amiga que teve câncer.
Ontem que o pai de uma amiga faleceu, uma amiga se foi de uma maneira que me trava relembrar e gerou muita dor em todas nós.

Senti que foi ontem que estava muito cansada, sem dinheiro, buscando meu refúgio, mas só o encontrava em mim 
mesma. E de que foi antes de ontem que me prometi voltar a correr e ter um dia a dia mais saudável.

Parece que foi ontem que encontrei pessoas novas, ouvi histórias interessantíssimas de anônimos que são os verdadeiros heróis deste mundo.

Ontem que filhas de amigas nasceram, outras casaram e descasaram. Que descobriram-se homossexuais, e daí?: permitiram-se ser integrados em sua genuína forma de viver - e ser.

Foi ontem que emiti uma passagem para a África do Sul, conheci a tia da Torta; a sul-africana que navegando chegou ao Brasil, sem saber onde era aquele porto.

Me pareceu ter sido antes de ontem que me mudei, porque minha casa ainda está como recém alugada, sem muitos móveis, vazia de decoração e cheia de recomeço.

Foi também estes dias que meu coração não entendeu as maldades que são possíveis pelos nossos semelhantes, que Mariana deixou de ser um nome, uma cidade, e passou a ser um país inteiro. Que Paris voltou ao ser o centro do mundo.

Mas do que sei, se é que sei, é que a Globo vai ter trabalho para para montar a retrospectiva deste ano, porque muito aconteceu em um espaço de dias que parece uma eternidade; um sentimento profundo de alta frequência da ausência de humanidade entre os mundanos, uma falta de ar esperançosa, um mundo ao contrário, mas que no fim dos dias, seguimos os dias, um de cada vez.

Não sei o que 2016 nos traz, e quem é que sabe, mas 2015 me trouxe muitas experimentações e muitos sentimentos atropelados, redefinição de tempo e espaço, às vezes com pouco fôlego e ao mesmo tempo muita energia para transformar transpiração em concretude. 

Acreditemos.
Façamos. 
Por que o que são os dias senão um construir-desconstruído de coisas e relações, que vai muito além do que podemos contar pelas folhas de qualquer calendário?

domingo, 25 de outubro de 2015

Um verdadeiro fazer, no tal do empreender

"Há homens que lutam um dia e são bons.
Há outros que lutam um ano e são melhores.
Há os que lutam muitos anos e são muito bons.
Mas há os que lutam toda a vida e estes são imprescindíveis".
Bertolt Brecht



No processo de empreender, a luta é diária.
Não vou falar "principalmente no Brasil, que os impostos (...)".
Não tenho vivência para comparar. Nunca empreendi "lá fora" e quando paguei impostos era recolhido "direto na fonte". 

Depois que empreendi, resignifiquei muito o trabalho; aliás, quando se toma a decisão de empreender, de começar um negócio do zero, de pegar uma página em branco, de bater na porta das pessoas e pedir alguns minutos, de fazer tudo diferente do que se havia feito até então, é porque o trabalho, da forma como era feito, já não significava tanto mais.

Acho que hoje não sou 8, nem 80.
Tento um árduo exercício de não julgamento inesgotável, de respeitar a escolha de cada um: Daqueles que estudam para concurso público, se mudam para um Mestrado, para morar com alguém, "para nada", para um navio, para cozinhar. Para conhecer diferentes lugares ou pessoas. Que escolhem trabalhar sem motivo. Que são donos de negócio, não sendo. Que são funcionários. Que são autônomos. Que deixam de empreender. Que vendem, se vendem, compram, fundem. Se demitem. Trocam de vida, de carreira. Mudam de ideia. Se tornam professores.

De toda forma, acho que só mesmo quem já viveu a dor - neste caso não há muitas delícias - de não se reconhecer mais no seu sócio, de se reconhecer mas o negócio não girar e você se ver sem fluxo de caixa para pagar a conta do supermercado; mesmo sabendo e acreditando que ao final de mais um ano você vai ter recebido mais investimento, vai ter conquistado novos clientes, empregado pessoas, contratado fornecedores.
Em meio a tanta dor da incerteza do dia de hoje, com a força crédula do dia-depois-de-amanhã que um dia chegará, me inspira novas alternativas que dão certo por serem genuínas; que são focadas no princípio da idealização, no fator-causa-raiz.

Depois que entrei nesse universo solitário, tão único e pessoal, sempre lia ou ouvia alguém dizer que "O segredo é surpreender e encantar seus usuários" - e na minha experiência de empreender buscávamos isso em cada ideia que tínhamos - e poucas vezes estive tão certa de uma afirmação.

Estes dias, voltei a me emocionar muito quando uma destas surpresas rompeu outras barreiras: uma amiga, empreendedora por propósito, que tem lutado estas lutas diárias, movimentando uma guerra de paz, de amor, de simbologismos e presentes, que cria e renova seu negócio com outros apaixonados da causa, que inventa possibilidades por aspirações verdadeiras, fez algo que vejo como raridade, que é ter atitude; fazer acontecer aquilo que era apenas pensado e muitas vezes suprimido pelo campo do impossível ou do medo.

Caso se interessem, se permitam também passar por isso, assistindo a este vídeo de agradecimento e do impacto que temos quando surpreendemos alguém, genuinamente.  

Como diria Richard Bach, "Mais cedo ou mais tarde, os que vencem são aqueles que pensam que podem". 


Saiba quem é Bel Pesce aqui
*Não adesão à nova regra gramatical.