quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Externamente interno

Mudar(lat mutare): 1 Deslocar, dispor de outro modo, remover para outro lugar (...). 3 Substituir. 4 Instalar(-se), transferir(-se) para outro prédio, local ou cidade. 5 Alterar-se, tornar-se diferente, física ou moralmente (...) 8. Cambiar, trocar, variar (...). 11 Sofrer alteração, modificação.
Michaelis
Leia ouvindohttp://www.youtube.com/watch?v=i3uIcxKuMeg

Eu sempre soube que a rotina de morar em hotel não duraria muito tempo, porque desde que esta oportunidade surgiu, minha líder falava do processo de mudança que eles viveriam. Logo, me tornei sujeito nessa frase.

Mas o hotel, embora não apresentasse uma bonita paisagem, vista de qualquer que fosse o ângulo, era cômodo. Arrumação diária e lavagem de roupas no momento em que eu quisesse. Se houvesse preguiça, era a de listar os itens a serem colocados dentro da sacola rosa, azul ou verde.

O calendário daqui começa pela sexta-feira e era este dia, Fevereiro, do ano de 1377: mais precisamente, um dia 18. No nosso calendário, uma sexta-feira 13, de 2009. Não era uma manhã como todas as outras, porque o frio era mais intenso e o céu mais azul. Mas havia o café similar ao brasileiro e o croissant quente: a melhor parte da despedida antes de zarpar.
Malas prontas, dois carros, quatro pessoas. O mediterâneo estava mais bonito e a falsa orla mais suja. A areia estava fina e era resquício do vento que soprou durante a madrugada da quinta-feira.

Havia garis nas ruas tentando varrer a pista para passarmos e o céu azul voltava a ser amarelo-creme-caramelo. Diferente e adorável.

Um luxuoso portão automático começou a ser aberto, carro na bica da garagem, vizinhos melhor dispostos, estética bela e decoração moderna. As malas traziam consigo um peso do passado recente. O meu cheirava a Brasil. O da minha líder, com quem vou dividir a casa, histórias de longos 11 meses ainda por mim desconhecidos.

Chave na fechadura, força na porta para a contra-mão do que nos é normal, retorna à direita como se fôssemos quebrá-la e... luz! Lá estavam radiante os raios solares em uma sala lindamente vazia e sem cortinas. Móveis para quê se é a alma que preenche?

Cozinha montada, quartos montados, calefação, banheiro com banheira, piscininha - que de "inha" tem só a minha interpretação - jardim, vizinhos fazendeiros - bééé - vista aos olhos do céu sem nuvens e DVD... ah... Julieta Venegas foi a primeira a cantar no nosso primeiro dia. E, sendo sexta-feira, foi um bom início de ciclo. Mesmo sendo 13 - ou 18.

Eu, até então, não tinha movido literalmente nenhum dedo para que aquilo tudo estivesse tão familiarmente pronto e tive o privilégio de me deparar com o luxo de uma cafeteira, sanduicheira e liquidifcador. Bolo, será? A minha líder tinha feito tudo e sozinha. Me senti... enfim, pula o adjetivo: decidi (começar a) ajudar. E comemoramos com água a conquista do novo e bom lar e, principalmente,o charme da cozinha com equipamentos brancos: forno de microondas!

Saímos para comprar comida e tive a grata surpresa de entender a embalagem de alguns mantimentos, principalmente café (salve-salve globalização, Lavazza para a prateleira!), biscoitos: Marilan está por aqui!, sabão em pó e amaciante - detergente escolhemos pela melhor combinação de cores do rótulo, que espero indicar qualidade. Ha-ha.

Mas o melhor foi chegarmos em casa e, no ato de guardar as coisas, a minha líder dizer "ah, tudo tão bonitinho né? Olha a sanduicheira!". Um momento de pausa e ela continuou: "a gente não comprou pão: você come pão?". Eu, já rindo, respondi "não", hahahaha. Que crise!!
Temos uma sanduicheira mas não comemos pão - já basta os da hora do almoço para suprir a necessidade não preenchida com o tempero local. E continuou, ao guardar folhas de alface na geladeira "Meu, nem parece que fizemos compra! Que geladeira vazia!". Foi alegria. E aí eu percebi: Não havia Nescau, ovos, muito menos farinha. Ah sim, o bolo vai ser de vento. Ter idéias nem sempre resultam em algo prático, não é mesmo?

Mas no fim, o nescafé com biscoito teve o mesmo efeito de um belo jantar com sobremesa, tamanha era a felicidade ali dentro. Um infinito bem particular. Pois é, a cafeteira não funciona bem - ou talvez o problema esteja entre o botão que a liga e o dedo de quem a pressiona, haha.

Amanhã teremos visita: salve-salve sanduicheira!

PS: A pessoa veio e pudemos celebrar uma semana de casa nova com uma boa companhia, cerveja (sem álcool), petiscos (pistaches, amêndoas e castanhas em geral), queijo francês e, por fim, um belo peixe assado com molho de alcaparras, batatas, arroz e uma salada sensacional - com milho =). Claro que meu papel foi lavar as folhas da salada, haha. Ah, teve morango com chocolate, acompanhado de um café Londrino. Delícia de "Domingão", faltou só a família e os amigos que estavam no Carnaval!


5 comentários:

Floriano disse...

Babi, adorei saber da mudança. Morar em lugar mais confortavel e que vc pode chamar de Casa é outra historia!
Quero ver umas fotos depois.. hihi

E vem ca, ai não tem cerveja normal em nenhum lugar? Nem com o jeitinho brasileiro?

Eu ia morrer... e vc já deve ta indo pro saco tb...

Um bjao

Vitor Garcia disse...

Hahaha, fui postar um comentário e a verificação de palavras ali embaixo foi bem propícia: "comer" era a palavra que eu tive de digitar! hehehehe.

Anônimo disse...

Oii Babi, eu tambem visito seu blog.
E nao poderia deixar de te falar que esse post ficou ótimo, tanto no conteúdo quanto na forma de escrever! Parece que eu tava lendo um livro... poético na medida certa... Parabéns!!
E boa sorte por ai! Beijos
Gabriela - Uberlândia

Vera disse...

Ei, Bárbara!

Seu pai coruja me passou o seu blog, e de vez em quando eu o visito. Muito legal mesmo! Você escreve muito bem, com humor e sensibilidade, de forma que a gente começa a ler e vai até o fim sem parar, vivendo todas as suas aventuras. Parabéns pelas suas conquistas. Você e seus pais merecem.

Beijos

Vera

Vida louca...vida breve disse...

Olá querida!!!
Seu post me fez lembrar da emoção de entrar no meu ap lá da Alemanha. Nossa...que saudade. Me lembro perfeitamente das sensações que tive quando mudei para os 23 m2, sem móveis, que tornaram minha experiência de intercâmbio inesquecível. Eu tive que chorar!! Era um sonho realizado!!

Boa sorte nessa nova fase e quando fizer uma festinha manda um convite pro amigos aqui do Brasil. Nós prometemos que comemoramos com vc mesmo que em pensamento.

Beijinhos.

*Não adesão à nova regra gramatical.